No items found.
Lobby em pauta: indecisão ou regulamentação?
Publicado:
17/3/2019 21:00

Semana decisiva para os profissionais de RIG

Em épocas de tantas transformações, décadas parecem séculos. Em 2007, foi lançado o iPhone, o mundo começou a procurar a menina Madeleine e o então presidente da Venezuela, Hugo Chávez, tomou um cala a boca do rei da Espanha. Ao relembrar esses fatos, o tempo cronológico se torna ainda mais distante. No longínquo ano de 2007, também foi apresentado o projeto de lei de autoria do deputado federal Carlos Zarattini (PT-SP), para “disciplinar a atividade de lobby”, entre outras providências (PL 1202/ 2007).

Depois de 12 anos de muita tramitação, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, sinalizou, para esta semana, a inclusão do projeto na pauta do plenário, iniciativa comemorada por muitos profissionais de Relações Institucionais e Governamentais, entre eles, Luiz Henrique Bezerra, vice-presidente da Associação Brasileira de Relações Institucionais e Governamentais (Abrig) e presidente do Comitê de Regulamentação da entidade. Em entrevista para o blog Tudo é Política, ele explica por que, desta vez, ao contrário de outras sinalizações no passado, é muito grande a chance de a regulamentação da atividade avançar. Boa leitura!

A regulamentação do lobby, assunto que começou há quase 30 anos, quando o então senador Marco Maciel apresentou um projeto neste sentido, finalmente vai ser desembaraçada?

Nós vemos com muito bons olhos esse movimento. O projeto está maduro para ser votado. Ele já foi discutido e já sofreu diversas emendas para ajustá-lo à melhor técnica legislativa. Inclusive foram extirpados pontos do projeto que poderiam deixá-lo inconstitucional. Se não é o melhor texto do mundo, é um texto bem moderno. Lógico que é sempre possível melhorar, mas, se a gente ficar na busca pela perfeição, a gente nunca vai chegar lá.

A sociedade também quer essa transparência que o projeto de lei traz para o exercício da atividade. Já tivemos este ano a regulamentação no âmbito do Executivo, já que a CBO (Classificação Brasileira de Ocupações) reconheceu a existência da profissão. Então, a gente entende que isso também tem que avançar no parlamento. Temos o apoio do poder executivo, por meio do ministro Sérgio Moro, que já se declarou favorável à regulamentação. O Ministério Público e os procuradores da Lava-Jato também são favoráveis. Portanto agora temos muitos fatores convergentes. O momento é oportuno e a gente está esperançoso de que agora, de fato, vai.

Na prática, o que deve acontecer?

A expectativa é que a inclusão possa ocorrer tanto esta semana quanto na semana que vem. Mas não pode passar disso, senão perde o time. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, precisa nomear um relator. Isso pode ser feito logo na sequência. Como o projeto está muito maduro, inclusive já foi lido o relatório, o novo relator não precisa fazer nada se ele não quiser. Pode ser uma votação muito rápida. Ou seja, pode ser colocado em votação e aprovado. Até porque o projeto já foi muito discutido, na CCJ, no plenário. Depois, vai para o Senado. Na outra casa, sempre é possível rever, alterar. O ideal é não ficar muito tempo na Câmara e passar logo para o Senado.

Quais foram os últimos pontos de ajustes?

Foi alterada a nomenclatura (profissional de Relações Institucionais e Governamentais), para ajustar à CBO. Também foram acrescentados os princípios que são apontados pelo OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico) e pela Transparência Internacional, como interesse público, direito de petição, isonomia. Também foi deixado claro que a atividade em tribunais é privativa de advogados, para não ter nenhum conflito com a OAB. Esses ajustes já foram feitos em plenário. Por isso o projeto está bem redondo.

É uma semana ímpar para o profissional de RIG?

Já estamos buscando esse reconhecimento há muito tempo, principalmente quem quer trabalhar de forma correta e não andar na sombra. Queremos estar credenciados no Congresso como profissional que representa tal empresa, para que todos saibam o que estamos fazendo.

Quem está na atividade, todos os dias, quer ser respeitado. Quer acessar o Congresso sem nenhuma dificuldade. O projeto define o que é permitido, o que não é; o que é atividade de RIG, o que não é. Por exemplo, vendas e representação comercial não são atividades de RIG. Despachante também não é. Isso é importante até para a autoridade se sentir confortável em nos receber, para tratar de assuntos institucionais com clareza e transparência. É isso que a gente busca. Creio que iremos dar um salto muito grande neste sentido.

Tags
Não encontrada

Artigos Relacionados

Fundada em 2016, acreditamos na democracia. Acreditamos que todos os grupos da sociedade podem e devem participar das decisões políticas. Nossa missão é entregar tecnologia para que os mais diversos grupos sociais e econômicos possam monitorar e influenciar as decisões Governamentais.

Insights e conteúdos exclusivos.
Inscreva-se:

Obrigado! Seu cadastro foi efetuado com sucesso!
Algo deu errado, tente novamente.

Contato

contato@sigalei.com.br
+55 (16) 3032-3979
R. Conde do Pinhal, 1762
Centro
São Carlos-SP
13560-648

QUEM SOMOSPRODUTOSSOLUÇÕESSUPORTECONTATOLOGINPOLÍTICAS DE PRIVACIDADE