Artigos
Por que acompanhar seus stakeholders nas redes sociais?
Autor:
Nayara Cortez
Relações Institucionais e Comunicação Sigalei
Publicado:
1/4/2021 16:10
O

s debates e movimentos que acontecem nas redes sociais aceleram discussões sobre temas antes mesmo de entrarem para o processo legislativo ou regulatório. Políticos utilizam cada vez mais o Twitter para se posicionar sobre pautas no Congresso. O meio digital transmite a informação muito rápido e atinge grande número de pessoas. As estratégias de relações institucionais e governamentais no século XXI ocorrem no meio online e offline.

A defesa de interesses acontece dentro e fora das casas legislativas ou interagindo com o poder executivo e as redes sociais se tornam um canal cada vez mais ativo na política. Atualmente, temas que ainda não se tornaram projetos legislativos ou políticas públicas surgem através de debates ou movimentos no mundo online e a atuação do lobby e advocacy também se amplia digitalmente. 

A opinião pública é comumente moldada por informações veiculadas por grandes veículos de comunicação e mídias tradicionais como jornais, rádios, televisão. Com a expansão do uso  de tecnologias na era digital, a internet e redes sociais passaram a ter papel importante na disseminação de informações de forma quase instantânea e com potencial de chegar a um número muito maior de pessoas de forma muito  rápida. 

Hoje, através da tela de um celular e com poucos cliques é possível assinar uma petição online, mobilizar o uso de uma hashtag em prol de uma causa, compartilhar e apoiar ações políticas, acompanhar o que seu candidato eleito fala nas redes sociais, interagir e criar aproximação com público específico.  

O uso de redes sociais facilita que cidadãos se aproximem e mostrem sua visão para políticos, e estes, por sua vez, estabelecem novos canais de diálogos,  prestação de contas para a sociedade e debate de políticas públicas. 

O uso do Twitter por políticos, por exemplo, se amplia, principalmente após observarem o potencial das redes sociais para campanhas eleitorais de baixo custo ou para aproximação de seu eleitorado antes e depois das eleições. 

Para além das eleições, por meio da internet e redes sociais, o cidadão faz emergir demandas e influencia as decisões do governo e empresas. Por outro lado, governo e setor privado têm na web a oportunidade para estreitar laços com eleitores e consumidores. 

As questões que preocupam a sociedade se tornam rapidamente conhecidas e criam movimentos no ciberespaço. Como por exemplo o movimento "Black Lives Matter" que impulsionou o posicionamento de diversos CEOs, empresas, organizações, governos e líderes políticos ao redor do mundo em função da urgência e pressão social sobre a temática.  

Para profissionais que atuam com lobby e advocacy, a conectividade possibilitada pelas redes sociais pode reduzir o custo de ações para defender interesses diante do poder público. Além disso, o meio digital acelera o debate de temas antes mesmo de entrarem para o processo legislativo ou regulatório. 

Pelo Twitter, Deputados, Senadores, Partidos e bancadas adiantam seus posicionamentos sobre assuntos que estão sendo discutidos no Congresso seguindo os trâmites processuais legislativos e assim é possível rapidamente antever os votos contra e favoráveis a um projeto de lei e, então, mapear os principais atores para traçar estratégias de engajamento com cada stakeholder identificado. 

Manter acompanhando o comportamento dos principais stakeholders nas redes sociais e cruzar os dados dessas mídias com as informações rotineiras de tramitação de projetos de lei (designação de relatores, apresentação de pareceres, votos) pode ser muito significativo para ter novas variáveis que clareiam o jogo político que ocorre ao redor de uma decisão do governo ou política pública. 

Verificar e entender como milhares de pessoas e organizações se posicionam e se influenciam umas às outras nas redes sociais, representa novas possibilidades para o profissional de relações institucionais e governamentais identificar riscos e oportunidades de cunho social, econômico ou político.

Compreender a sociedade no meio digital e engajar com stakeholders também de forma online implica em empresas atuarem com temas que não as impactam diretamente, mas que reforçam seu capital social e reputação com as diversas partes interessadas  e impactadas por seu negócio. 


______________________________________________________________________________________________________________

Modelo Sigalei | Guia para Relações Governamentais

Já fez o download do modelo que fizemos para que te ajudar com sua estratégia? Clique abaixo [Modelo] 6 passos de Relações Institucionais e Governamentais

Blog Sigalei | Relembre

Veja outros artigos sobre assuntos similares em nosso blog. Práticas de engajamento com stakeholders governamentais 5 passos para engajar stakeholders em relações governamentais

Inteligência Sigalei

A Sigalei ajuda a organizar, identificar e manter sempre atualizados seus principais temas e stakeholders de interesse. Fale com nossos especialistas e saiba mais. Clique aqui para entrar em contato

Tags
stakeholders
Relações Institucionais e Governamentais
RelGov
RIG

Artigos Relacionados

Fundada em 2016, acreditamos na democracia. Acreditamos que todos os grupos da sociedade podem e devem participar das decisões políticas. Nossa missão é entregar tecnologia para que os mais diversos grupos sociais e econômicos possam monitorar e influenciar as decisões Governamentais.

Insights e conteúdos exclusivos.
Inscreva-se:

Obrigado! Seu cadastro foi efetuado com sucesso!
Algo deu errado, tente novamente.

Contato

contato@sigalei.com.br
+55 (16) 3032-3979
R. Conde do Pinhal, 1762
Centro
São Carlos-SP
13560-648

QUEM SOMOSPRODUTOSSOLUÇÕESSUPORTECONTATOPOLÍTICAS DE PRIVACIDADE